Circulação Sanguínea – Sistema Circulatório

How Can We Help?

Voltar
Você está aqui:

Boa parte do fluxo de moléculas ou mesmo distribuição dos recursos entre os diferentes órgãos e tecidos do corpo humano, através da circulação sanguínea, pode ser comparado com a malha rodoviária de um país, guardando as devidas proporções e características. É como se os diferentes estados brasileiros e as suas empresas, liberando mercadorias de setores distintos para outras regiões do país, por meio de caminhões nas rodovias, fossem comparados com os órgãos recebendo nutrientes e librando outras moléculas, que vão ser transportadas pelo sangue até outros órgãos. Com essa analogia, o processo de transporte de nutrientes por meio da circulação sanguínea e a sua importância se torna mais tangível e ilustrativo.

Circulação sanguínea

A circulação sanguínea é o ato de fazer o sangue passar por todas as diferentes partes do corpo humano através de ductos ou vasos específicos. A principal função da circulação sanguínea é suprir as necessidades dos tecidos, transportando nutrientes, hormônios e produtos metabólicos de uma parte do corpo para outra e mantendo o ambiente apropriado para as condições de homeostasia celular. Ademais participa do sistema imunológico, dando suporte para a sinalização celular endócrina e criando pressão para extravasamento de líquido para os ductos linfáticos.

Composição do sistema circulatório

A composição básica para que o sistema circulatório tenha capacidade de suprir as necessidades dos tecidos, em vertebrados, é: tecido sanguíneo, coração, ductos ou vasos sanguíneos e linfáticos.

Sangue

O sangue faz parte do tecido conjuntivo, é composto por elementos figurados ou células, como hemácias, leucócitos e plaquetas, e plasma, que é a matriz ou fluído extracelular. As hemácias são responsáveis pelo transporte de gases, os leucócitos pela defesa do organismo, e as plaquetas pela coagulação do sangue.

Coração

O coração é o órgão responsável por manter o sangue sempre em movimento dentro dos vasos sanguíneos, como uma bomba constituída de músculo especializado (estriado cardíaco ou miocárdio), e é revestido por uma membrana, chamada de pericárdio.

Vasos sanguíneos

Existem dois tipos principais de vasos sanguíneos, as veias, vasos que levam o sangue dos tecidos para o coração, e as artérias, vasos que levam o sangue do coração para os tecidos. As veias possuem a parede mais delgada ou fina, com menor suporte de fibras musculares e elásticas. Ademais, possuem válvulas que impedem ou dificultam o retorno do sangue, dentro do vaso, no sentido oposto, característica importante uma vez que a pressão é menor do que a encontrada nas artérias.

As artérias são constituídas de células do endotélio achatadas com grande quantidade de fibras musculares lisas, elásticas e colágeno. Essa composição dá uma característica única às artérias que é a capacidade de contração e dilatação, de acordo com a liberação dos neurotransmissores noradrenalina (contração) e acetilcolina (relaxamento). Elas ainda se ramificam à medida que vão chegando nas extremidades dos tecidos, em arteríolas e capilares, que são vasos de menor calibre com função de irrigação dos tecidos.

Representação do fluxo sanguíneo, das veias e das artérias
Representação do fluxo sanguíneo, das veias e das artérias

Circulação em diferentes vertebrados

A circulação sanguínea ocorre de forma diferente de acordo com o grupo de vertebrados abordados. Mas de forma geral, o sangue pode ser avaliado de acordo com a concentração dos gases oxigênio e gás carbônico. O sangue com maior concentração de O2 é chamado de arterial e o sangue com maior concentração de CO2 é chamado de venoso.

Peixes

O coração dos peixes possuem duas cavidades, um átrio e um ventrículo, onde passa somente sangue com maior concentração de CO2. O átrio recebe o sangue proveniente dos tecidos, passa para o ventrículo que bombeia o sangue para as brânquias, onde ocorrerá as trocas gasosas, CO2 por O2. Somente depois dessa troca, o sangue seguirá para os tecidos novamente. Assim essa circulação pode ser classificada em simples e completa, pois o sangue passa somente uma vez pelo coração e não ocorre a mistura de sangue venoso com arterial, respectivamente.

Anfíbios

O coração dos anfíbios possui três cavidades, dois átrios e um ventrículo. O átrio direito recebe o sangue proveniente dos tecidos, rico em CO2, o átrio esquerdo recebe o sangue proveniente dos pulmões, rico em O2. Os dois átrios se comunicam através do ventrículo, onde os sangues ricos em O2 e CO2 se misturam e são bombeados tanto para os pulmões quanto para os tecidos. Dessa forma, a circulação dos anfíbios pode ser classificada em dupla e incompleta, pois o sangue passa duas vezes pelo coração e há mistura de sangue arterial com venoso.

Répteis

O coração de alguns répteis possui características distintas. Em sua maioria, é formado por dois átrios e um grande ventrículo, parcialmente dividido. O átrio direito recebe o sangue proveniente dos tecidos, rico em CO2, e o átrio esquerdo recebe o sangue proveniente dos pulmões, rico em O2. Depois os átrios se comunicam através do grande ventrículo, onde os sangues ricos em O2 e CO2 se misturam e são enviados tanto para os pulmões quanto para os tecidos. Dessa forma, a circulação dos anfíbios pode ser classificada em dupla e incompleta, pois o sangue passa duas vezes pelo coração e há mistura de sangue arterial com venoso.

O coração dos crocodilianos é diferente. Ele é formado por dois átrios e dois ventrículos. O átrio direito recebe o sangue proveniente dos tecidos, rico em CO2. Depois é deslocado para o ventrículo direito e bombeado até os pulmões, onde será “oxigenado”. Uma vez “oxigenado”, é levado até o átrio esquerdo, transferido para o ventrículo direito, onde será bombeado para os tecidos. Porém, há uma comunicação entre o ventrículo direito com a artéria proveniente do ventrículo esquerdo, ocorrendo a mistura de sangue rico em CO2 com o sangue rico em O2, sendo assim considerada uma circulação dupla e incompleta, pois o sangue passa duas vezes pelo coração e há mistura de sangue arterial com venoso.

Já nas aves, a circulação é dupla e completa, pois o sangue passa duas vezes pelo coração e não há mistura de sangue arterial com venoso. O coração das aves é formado por dois átrios e dois ventrículos. O átrio direito recebe o sangue proveniente dos tecidos, rico em CO2. Depois é deslocado para o ventrículo direito e bombeado até os pulmões, onde será “oxigenado”. Uma vez realizada as trocas gasosas, é levado até o átrio esquerdo, transferido para o ventrículo direito, onde será bombeado para os tecidos. Essa característica permite maior eficiência na oxigenação dos tecidos e garante altas taxas de respiração celular.

Mamíferos

O coração dos mamíferos é semelhante ao das aves. O coração dos mamíferos é formado por dois átrios e dois ventrículos. O átrio direito recebe o sangue proveniente dos tecidos, rico em CO2. Depois é deslocado para o ventrículo direito e bombeado até os pulmões, onde será “oxigenado”. Uma vez realizada as trocas gasosas, é levado até o átrio esquerdo, transferido para o ventrículo direito, onde será bombeado para os tecidos. Dessa forma, a circulação dos mamíferos também é considerada dupla e completa, pois o sangue passa duas vezes pelo coração e não há mistura de sangue arterial com venoso.

Anatomia comparada do coração dos vertebrados
Anatomia comparada do coração dos vertebrados

Coração Humano

O coração humano possui a configuração básica de dois átrios e dois ventrículos, como apresentada acima, e ainda com as seguintes características:

1 – Musculatura dos ventrículos mais espessa do que dos átrios;

2 – Entre átrios e ventrículos existem válvulas que impedem o retorno ou refluxo do sangue para a câmara anterior, sendo a do lado direito a tricúspide (três divisões) e a do lado esquerdo bicúspide (duas divisões);

3 – As contrações musculares são chamadas de sístole e as dilatações de diástole;

4 – Taquicardia significa batimentos rápidos (noradrenalina – SNC-A simpático) e bradicardia batimentos lentos (acetilcolina – SNC-A parassimpático);

5 – Pequena circulação sanguínea:

Geral: coração → pulmão → coração;

Específica:  átrio direito → ventrículo direito → entrada nos pulmões via artéria pulmonar → saída dos pulmões via veias pulmonares → átrio esquerdo

6 – Grande circulação sanguínea:

Geral: coração → tecidos → coração;

Específica: átrio esquerdo → ventrículo esquerdo → saída para os tecidos via artéria aorta → retorno dos tecidos via veias cava superior e inferior → átrio direito

Anatomia do coração humano
Anatomia do coração humano

Controle dos batimentos

Os batimentos do coração, nos humanos, podem sofrer interferência do sistema nervoso central, acelerando ou desacelerando. Mas, em geral, é mantido por um conjunto de células nervosas localizadas na musculatura cardíaca, próximo do átrio direito e com ramificações para os ventrículos, chamada de nó ou nódulo sinoatrial. Esse conjunto celular é especializado e possui a capacidade de despolarização espontânea, sendo conhecido também como marcapasso natural, realizando entre 60 e 100 despolarizações por minuto.

As ramificações que saem do nó sinoatrial e se dirigem para os ventrículos, chegam num conjunto de células também especializadas em despolarização, chamadas de feixe de His. Essa ramificação dá uma característica essencial para o ciclo de batimento cardíaco, que é a contração primeiro dos ventrículos e depois dos átrios, tornando a contração ventrículo-atrial.

Controle dos batimentos cardíacos do coração
Controle dos batimentos cardíacos do coração
Próxima Imunologia – Visão geral

Deixe um comentário