Impactos ambientais

O que você precisa estudar hoje?

Voltar
Você está aqui:

Em ecologia são estudados o meio ambiente e a sua relação com os seres vivos. Dentre as relações existentes, a troca de energia dos seres vivos com o ambiente, desde sua absorção, emissão e reciclagem, possui um papel importantíssimo para o conceito de vida, como conhecemos no planeta Terra. Então, é notável que a relação do animal humano com o meio ambiente também está inserida nessa relação energética do planeta.

As relações energéticas ou mesmo a capacidade de troca de energia entre os seres humanos e o ambiente são intimamente ligados a fatores, como a resistência ambiental. A resistência ambiental é a restrição do crescimento populacional dada por condições ambientais, como a limitação de espaço, alimento, acúmulo de dejetos e resíduos, predadores, parasitas e competidores. Esses fatores ambientais ainda podem ser limitantes, ocorrendo quando o crescimento populacional atinge a capacidade limite do ambiente ou o número máximo de indivíduos que o ambiente pode suportar e sustentar sem que ele próprio seja degradado.

Impactos ambientais gerados por seres humanos

A população humana no planeta Terra já passou a barreira dos sete bilhões. Com esse crescimento grande e desordenado, os impactos causados pela ação do homem no ambiente, atividade antrópica, têm sido cada vez mais nítidos. Esses impactos são consequências do estilo de desenvolvimento e vida que os seres humanos adotaram para si. Por exemplo, a degradação de habitats naturais pelo desenvolvimento da agricultura através de monoculturas e a demanda por matéria-prima industrial gerada pela vida para o consumo da sociedade moderna.

Crescimento populacional humano
Crescimento populacional humano

Impactos ambientais no solo

Os impactos ambientais são estudados e classificados de acordo com o espaço onde são observados. No solo, a retirada da cobertura vegetal nativa o expõe a riscos como erosão, que é o arraste de partes do solo pela ação da água e do vento, lixiviação, que é a retirada de compostos químicos do solo pela ação da água, e assoreamento, que é a acumulação de sedimentos no fundo dos rios, canais e lagos. Quando analisada sob a perspectiva da ação do homem, esses eventos podem ser observados na agricultura, mineração e abertura de clareiras ou desmatamento para criação de pastos.

Erosão
Erosão

Os impactos do tipo erosão, lixiviação e assoreamento podem ser evitados ou mesmo reduzidos a partir da aplicação de técnicas simples, como o não desmatamento completo de áreas que apresentam grande declive, pois as plantas que possuem raízes mais profundas ajudam no não deslocamento do solo. Plantações em contorno ou em linhas horizontais em terrenos acidentados podem oferecer maior resistência contra a erosão causada pela água que escorre pelo terreno. E a não retirada da mata ciliar ou mata no entorno das fontes de água, pois elas formam uma barreira física, impedindo que os sedimentos carregados pelos ventos sejam depositados nos rios, canais e lagos.

Rio com mata ciliar
Rio com mata ciliar

Erosão, lixiviação e assoreamento são exemplos de eventos que podem gerar impactos ambientais, sejam eles naturais ou provocados pelos seres humanos. Os seres humanos são destacados nesses eventos diante da sua capacidade de modificação do meio ambiente de acordo com a sua vontade, não sendo descrita outra espécie com essa mesma característica. Esses impactos ambientais, principalmente quando causado pela ação do homem, trazem consigo a fragmentação ou mesmo destruição de hábitats e ecossistemas, modificando a biodiversidade no local.

Impactos ambientais e a biodiversidade

A biodiversidade de um habitat é de extrema importância para a manutenção das relações ecológicas e para a correta troca e reciclagem da energia. A sua modificação pode trazer novas características ao ambiente que não são adequadas às adaptações dos seres vivos nativos e, consequentemente, podem levar à extinção de várias espécies endêmicas. Por exemplo, o desmatamento para a criação de monoculturas, pastos e até cidades, ou ainda a criação de uma barragem para a construção de uma usina hidrelétrica.

Alagamento das áreas mais baixas de uma região causada por uma represa
Alagamento das áreas mais baixas de uma região causada por uma represa

Os seres humanos podem impactar a biodiversidade sem que seja alterado diretamente o meio ambiente. Isso pode ocorrer com a introdução de uma espécie exótica ou não nativa e com a superexploração de espécies. A introdução de uma espécie exótica causa um desequilíbrio na biodiversidade por promover a competição pelos recursos. Quando isso ocorre, é porque a espécie exótica possui maiores vantagens adaptativas do que as locais ou mesmo não possui predadores, sendo favorecida em relação aos indivíduos nativos. Já a superexploração, ocorre quando o ser humano retira do meio ambiente uma espécie, sem que dê tempo dessa espécie manter os níveis aceitáveis de população naquele hábitat. Por exemplo, a caça de rinocerontes e elefantes para a extração de chifres e presas, bem como a pesca de arrasto, que retira grandes quantidades de animais e devasta o habitat.

Poluição

Outra forma de estudar os impactos ambientais causados pela ação humana é através da poluição. A poluição é a contaminação do meio ambiente e é classificada de acordo com o local onde é observada, como nos impactos ambientais estudados no solo, e se reage ou não com substâncias presentes nesses locais. Os poluentes primários são gerados diretamente pelas fontes poluentes. Já os poluentes secundários são os gerados por reações entre poluentes primários e substâncias presentes na atmosfera local.

Poluição do ar

A poluição, quando observada no ar, pode ser causada por diferentes agentes e origens. Os principais agentes primários e as suas origens são:

  • Metano (CH4): metabolismo energético de bactérias e arqueias;
  • Dióxido de carbono (CO2): decomposição de matéria orgânica, metabolismo energético, queimadas, queima de combustíveis fósseis;
  • Monóxido de carbono (CO): combustão incompleta de material orgânico;
  • Dióxido de enxofre (SO2): queima de combustíveis fósseis;
  • Dióxido de nitrogênio (NO2): queima de combustíveis fósseis;
  • Clorofluorcarbonos (CFCs): subproduto gasoso de algumas indústrias.
Poluição industrial
Poluição industrial

Os poluentes primários e secundários causam diversas consequências na atmosfera. As consequências dos primários podem ser estudadas de acordo com o seu efeito, como as do CH4 e o CO2, que causam a intensificação do efeito estufa e a do CO, que pode levar à morte diante da sua grande afinidade com a hemoglobina. Já os poluentes secundários são divididos em SO2 e NO2, que causam as chuvas ácidas, e os CFCs, que causam a depleção da camada de ozônio.

O efeito estufa é a retenção da energia proveniente da irradiação eletromagnética solar, no comprimento de onda do infravermelho. Essa retenção ocorre pela reflexão interna da camada do ozônio e captação pelas ligações moleculares de compostos químicos, em especial de CO2 e CH4, podendo elevar a temperatura do planeta. E a depleção da camada de ozônio, embora seja essencial para o efeito estufa, está mais relacionada com a permeabilidade a comprimentos de onda do ultravioleta e a influência dessas ondas em moléculas biológicas, causando, por exemplo, mutações no DNA.

A poluição do ar pode trazer outras consequências que não estão diretamente relacionadas com a capacidade de retenção de energia e reações que podem envolver essas moléculas. Por exemplo, a inversão térmica é um processo que ocorre quando não há convecção ou circulação vertical do ar, causada pela grande quantidade de poluição sólida dispersa no ambiente, deixando a camada de ar próxima à superfície terrestre mais fria e densa e impossibilitando o seu deslocamento.

Poluição da água e do solo

É possível observar processos de poluição também na água e, consequentemente, no solo. O processo de poluição da água envolve aspectos como eutrofização, derramamento de óleo, lixo e magnificação trófica. A eutrofização é o processo causado pelo excesso de matéria orgânica num ambiente aquático, sendo essa matéria orgânica fornecida através de fertilizantes ou esgoto. Com a grande disponibilidade de matéria orgânica, há o favorecimento da proliferação de bactérias aeróbicas, que irão disputar o consumo de oxigênio disponível com os outros seres vivos, até que as concentrações desse elemento baixem muito. Com as baixas concentrações de oxigênio disponíveis, os seres vivos presentes naquele hábitat vão morrendo e favorecendo a proliferação de bactérias decompositoras anaeróbicas. Essas bactérias anaeróbicas conquistam completamente o ambiente, tornando-o impróprio para banho e são responsáveis por liberar gases com odores peculiares, como sulfeto de hidrogênio (H2S).

Rio em processo de eutrofização
Rio em processo de eutrofização

A poluição por derramamento de óleo está relacionada com desastres ambientais provocados por acidentes em refinarias, oleodutos e navios petroleiros. O petróleo é menos denso que a água e tem a capacidade de aderência nas brânquias de peixes e penas de aves. A menor densidade do óleo em relação à água cria uma mancha na superfície que impede a penetração da luz no corpo d’água e bloqueia a via de biossíntese de carboidratos de organismos fotossintetizantes. Já a capacidade de aderência nas brânquias de peixes impede a realização das trocas gasosas por esses animais, bem como o voo de aves por envolverem as suas penas.

Ave marinha embebida de óleo durante um vazamento de petróleo
Ave marinha embebida de óleo durante um vazamento de petróleo

Os resíduos ou lixo gerados pelas atividades humanas podem ser de diferentes tipos, como plásticos, metais, papel e orgânicos. Esses diferentes tipos de resíduos, quando não destinados de forma correta, poluem o meio ambiente. O meio ambiente e os seres vivos presentes nele têm a capacidade de absorver ou transformar esses materiais, ou seja, reciclar. A reciclagem desses resíduos geralmente não ocorre pela ação dos mesmos seres vivos, sendo necessário diferentes tipos de organismos, em diferentes associações e diferentes condições ambientais para que sejam consumidos e reciclados, de acordo com as características físico-químicas. Por exemplo, um microrganismo que consegue degradar plástico de uma garrafa de refrigerante pode não viver no mar, tornando esse material um poluente para o ambiente.

Lixo levado pelas correntes oceânicas encalhado numa praia
Lixo levado pelas correntes oceânicas encalhado numa praia

Outro aspecto de avaliação da poluição da água e solo pode ser realizada através da análise de acumulação de determinadas substâncias de acordo com os níveis tróficos, processo conhecido como magnificação trófica. A magnificação trófica ocorre com substâncias presentes no meio ambiente que os organismos não conseguem metabolizar e transformar em outras moléculas, retirando a sua energia. Uma vez incapacitados de metabolizar essas substâncias, os seres vivos que as absorvem acabam por acumular em seus tecidos, que por sua vez serão absorvidas por outros organismos de um nível trófico superior, que também não conseguirão metabolizá-las e as acumularão em seus tecidos. O grau de acumulação dessas substâncias pode ser correlacionado com o seu nível trófico na cadeia alimentar. Por exemplo, DTT presente nos inseticidas, utilizados na agroindústria, e metais pesados, oriundos da mineração, são moléculas que a maioria dos organismos vivos não conseguem metabolizar, sendo acumulados e podendo levar à óbito os animais do nível trófico mais baixo, por estarem expostos a grandes concentrações dessas substâncias.

Análise de impactos ambientais

Os impactos ambientais podem ser caracterizados através dos parâmetros como magnitude, duração e reversibilidade. A magnitude indica a extensão da área acometida, a duração mostra o tempo de acometimento e a reversibilidade analisa a capacidade das alterações na área acometida serem reversíveis ou não. A análise por meio desses parâmetros é realizada por órgãos de fiscalização nacionais, podendo ter ou não o auxílio de empresas especializadas ou mesmo ONGs, que geram relatórios periódicos e fornecem licenças de operação, para que ocorra a promoção do projeto ou mesmo evitando o seu desenvolvimento. Por exemplo, a construção de hidrelétricas passa por desenvolvimento de grandes projetos de represamento de corpos d’água correntes, que, uma vez represados, altera todo um ecossistema ao seu redor pela inundação dessa área. Essa inundação compromete a vida de seres não adaptados a condições aquáticas, tanto de fauna como flora, causando grande mudanças e perda de biodiversidade local.

Animal sendo retirado após o deslizamento de uma barragem de minério
Animal sendo retirado após o deslizamento de uma barragem de minério

Tecnologia e a redução dos impactos ambientais

O desenvolvimento humano no planeta está intrinsecamente ligado com a sua capacidade de alterar o ambiente de acordo com as suas necessidades e ao desenvolvimento de tecnologia. Durante o processo de desenvolvimento de tecnologia é possível observar que dependendo do tipo de tecnologia e do local onde ela é utilizada ela pode causar mais ou menos impactos ambientais. Com isso, se torna inteligente uma análise mais profunda e meticulosa das tecnologias disponíveis ou mesmo em desenvolvimento, para que seja aplicada aquela com o melhor custo-benefício ambiental.

Parque eólico
Parque eólico

Algumas tecnologias já são empregadas para reduzir impactos ambientais, como filtros de ar em indústrias e automóveis, conversores catalíticos para a neutralização de moléculas tóxicas, fontes alternativas de energia (solar e eólica) para diminuir a queima de combustíveis fósseis, hidroponia para evitar o uso de defensivos agrícolas, separação e tratamento adequado de resíduos industriais e domésticos para evitar a contaminação de fontes de água. O aprofundamento dos estudos e debates sobre os impactos ambientais é necessário para o desenvolvimento de novas tecnologias ou mesmo remanejo das existentes para minimizar a ação maléfica dos seres humanos ao meio ambiente.

Filtro de ar de um veículo automotor
Filtro de ar de um veículo automotor

Recuperação de ambientes e desenvolvimento sustentável

Estudos sobre os impactos ambientais causados pelo homem ou a pegada humana são importantes para o desenvolvimento de tecnologias que venham contribuir com a não degradação do meio ambiente. Esse desenvolvimento se inicia com o aprofundamento de conhecimento das causas dos impactos ambientais, como entender o que causa o assoreamento dos rios para sugerir soluções. Depois, são avaliadas as soluções sugeridas e implementados planos de ação, tanto governamentais como populares, para que seja revertida a problemática. E ao mesmo tempo que são implementados os planos de ação, devem ser descritos e construídos os valores ambientais para que as gerações futuras já entendam a relevância da preservação do meio ambiente.

Treinamento de separação adequado de resíduos
Treinamento de separação adequado de resíduos

Uma vez estabelecidas as diretrizes de construção dos valores ambientais para a comunidade, é possível observar o desenvolvimento sustentável. Esse desenvolvimento sustentável é a utilização dos recursos naturais para a promoção de bem-estar populacional sem que o meio ambiente seja comprometido para que continue proporcionando recursos a serem utilizados pelas gerações futuras. Essa caraterização de desenvolvimento sustentável deixa a responsabilidade da sua criação nas mãos dos indivíduos da população atual.

Contudo, as diretrizes de construção dos valores ambientais são de difícil acordo entre os membros de uma comunidade. Isso ocorre porque passam por valores pessoais, o que varia facilmente entre os indivíduos de uma população. Por exemplo, o estilo de vida que um indivíduo toma para si tem influências diretas ou indiretas na vida de outro indivíduo daquela população. Essas influências podem ser benéficas ou maléficas e o conjunto delas vai reger a interação entre eles, tornando mais fácil ou difícil a aceitação dessas diretrizes propostas pela construção de valores ambientais.

Anterior Fundamentos de ecologia
Próxima Relações ecológicas

Deixe um comentário