Concordância verbal

How Can We Help?

Voltar
Você está aqui:

A concordância verbal é o estudo das relações de concordância em número (singular e plural) e pessoa entre sujeito e verbo da oração.

A regra geral é que o verbo e seu sujeito deverão concordar em número e pessoa, mesmo que a oração esteja na ordem indireta.

Exemplos:

Eu canto/ Nós cantamos/ Eles cantam

Cantaram, ontem, vinte pessoas. (ordem indireta)

 

Porém, em alguns casos, a regra geral não é cumprida. Pode-se verificar concordâncias distintas em um mesmo caso.

Substantivos coletivos

Se o sujeito da oração for um substantivo coletivo, o verbo concorda com o número do substantivo coletivo.

Exemplos:

A tropa chegou cedo. /As tropas chegaram cedo.

 

Contudo, se o coletivo estiver especificado por um adjunto adnominal, o verbo pode concordar com o coletivo ou com o adjunto.

Exemplos:

A frota de carros antigos estava (ou estavam) em exposição.

Sujeito composto

Quando o sujeito for composto, o verbo vai para o plural. Porém, se o sujeito estiver depois do verbo, este poderá concordar com o termo que estiver mais próximo. E, o verbo fica no singular quando os sujeitos são infinitivos e/ou sinônimos.

Exemplos:

Maria e Ana compraram os ingressos.

Ao estádio chegou o técnico e os jogadores.

Trabalhar e estudar é necessário.

 

Quando os núcleos do sujeito estiverem ligados pela palavra ou com valor excludente, o verbo ficará no singular.

Exemplo:

Rio ou São Paulo será sua próxima residência.

Pronomes de tratamento

Caso o sujeito seja um pronome de tratamento, o verbo deve ficar em terceira pessoa e concordar com o número do pronome.

Exemplos:

Vossa alteza não acordou. / Vossas excelências necessitam de paz.

Pronomes relativos

Que

Quando o sujeito é representado pelo pronome relativo que, o verbo concorda com o termo antecessor ao pronome.

Exemplo:

O Tietê é o rio que atravessa São Paulo.

Quem

Já com o pronome relativo quem, o verbo deve ficar no singular e em terceira pessoa.

Exemplo:

Desta vez sou eu quem lava as louças.

Nomes no plural

Alguns nomes só se usam no plural e, quando precedidos de artigo, o verbo fica no plural. Entretanto, se o sujeito não estiver precedido de artigo, o verbo fica no singular.

Exemplos:

Minas Gerais tem muitas serras. / As Minas Gerais têm muitas serras.

Se

Partícula apassivadora

Verbo concorda com o sujeito.

Exemplo:

Vendem-se casas.

Índice de indeterminação do sujeito

Obrigatoriamente na terceira pessoa do singular.

Exemplo:

Necessita-se de ajuda.

Expressões de porcentagem e expressões mais de um…/ mais de dois…

O verbo concordará com o número cardinal do sujeito.

Exemplo:

Cinco por cento dos alunos faltaram.

Mais de 30 pessoas compareceram.

Alguns verbos que merecem atenção

Haver e fazer (sentido de tempo)

São impessoais. Portanto, não têm sujeito, logo, ficam no singular.

Exemplo:

Faz 10 anos que não viajo.

Há várias coisas para serem feitas.

Dar, bater e soar (indicando horas)

O verbo concorda com o sujeito.

Exemplos:

Deram duas horas que estavam atrasados. / O sino bateu quatro horas.

Verbo ser

Concorda com o predicativo quando o sujeito é pronome interrogativo, quando indicar horas e quando o sujeito for pronome indefinido (tudo) ou pronome demonstrativo (isto, isso, aquilo…).

Exemplos:

São 3 horas. / Tudo são flores. / Quem foram os melhores jogadores da copa?

 

O verbo ser fica no singular quando acompanhado de expressões como: é muito, é pouco, é suficiente…

Exemplo:

10 metros é pouco.

 

Caso o sujeito ou o predicativo seja pronome pessoal ou nome de pessoa, o verbo ser concordará com o pronome ou o nome.

Exemplos:

Karla era muito amável.

Nós somos os responsáveis.

Expressões cerca de / perto de

O verbo irá para o plural quando acompanhado destas expressões com sentido de quantidade aproximada.

Exemplo:

Cerca de 100 pássaros estavam no viveiro.

Anterior Concordância nominal
Próxima Estudo de algumas partículas

Deixe um comentário