Poríferos

How Can We Help?

Voltar
Você está aqui:

Poríferos, esponjas ou espongiários são do sub-reino Parazoa, pertencente ao Reino Metazoa (Animalia). Os seres vivos desse reino, também conhecidos como animais, podem ser divididos de acordo com a quantidade de tecidos ou folhetos (camada de células) embrionários, monoblásticos, diblásticos e tribláticos, e o seu desenvolvimento. No caso dos poríferos, são os únicos representantes mais simples dos animais, pois são monoblásticos e não possuem diferentes folhetos embrionários para que ocorra diferenciação celular em tecidos – não possuem tecidos, órgãos e sistemas.

Esponja do mar
Esponja do mar

Características gerais

Observações sobre os poríferos levaram a descrevê-los como animais, em sua maioria assimétricos e não radiais. São filtradores sem cavidade digestiva, com digestão intracelular; são aquáticos, amoniotélicos (excretam nitrogênio), e os adultos são sésseis (fixos), com ou sem produção de larvas, que são móveis. Esses animais, uma vez que não possuem tecidos ou sistemas, desenvolveram uma forma de sustentação com base em espículas, que são estruturas rígidas formadas pela agregação ou cristalização de sais de cálcio (calcárias) ou sílica (silicosas), e/ou proteínas, como o colágeno e espongina, formando assim um “esqueleto”. As esponjas possuem uma estrutura básica que permite o desenvolvimento do seu sistema de filtração. Essa estrutura é formada pelo ósculo, abertura na parte superior, óstios, pequenos poros distribuídos por toda a superfície do animal, e átrio ou espongiocele, cavidade interna. As principais células que compõem essas estruturas são os pinacócitos (célula de revestimento externo), porócitos (célula dobrada sobre si), coanócitos (células ovoides, flageladas, com membrana permeável, responsável pela digestão intracelular), amebócitos (célula totipotente de revestimento interno), arqueócitos (células germinativas), colêncitos (célula de produção de mesogléia), e espongiócitos (produção de espongina).

Filtração

O sistema de filtração nos poríferos ocorre com a entrada de água, através dos óstios ou poros formados pelos porócitos, que vai em direção à cavidade interna ou átrio do animal, e saindo pela abertura superior ou ósculo. O fluxo corrente de entrada e saída da água é mantido pelo batimento ciliar dos coanócitos, os quais revestem a cavidade interna do animal, ao mesmo tempo filtrando pequenas partículas para captação e digestão intracelular. Essa filtração ocorre na bainha membranosa, próximo ao flagelo desse grupo celular, permitindo a passagem da água num fluxo contínuo e de sentido único, captando e digerindo pequenas partículas.

Figura esquemática de um coanócito
Figura esquemática de um coanócito

Reprodução

A reprodução das esponjas pode ocorrer de modo assexuado ou sexuado. A reprodução assexuada, também chamada de brotamento ou regeneração, ocorre com a separação de um pequeno grupo celular ou mesmo um broto do indivíduo adulto, com continuação do desenvolvimento, fixação e maturação. Já a reprodução sexuada exige necessariamente a fecundação. Essa fecundação é interna, proveniente da liberação de espermatozoides de outra esponja e internalizados pelos porócitos, no caso dos dioicos, ou dentro do mesmo animal, no caso dos monoicos. Em ambas fecundações, são liberadas larvas ou anfiblástulas, que possuem a capacidade de adesão em superfícies, permitindo a fixação do animal e a conquista de novos ambientes.

Anatomia e classes

O desenvolvimento das esponjas pode gerar diferentes tipos, asconoide, siconoide e leuconoide. As asconoides representam o tipo com anatomia mais simples entre as esponjas, pois possui um átrio simples e revestido por coanócitos. As siconoides possuem um canal radial ou aferente, o que eleva a capacidade de filtração do animal, diante do aumento da superfície de contato, e assim a sua complexidade. Já as leuconoides são as mais complexas, pois possuem câmaras de coanócitos com ampla distribuição de água, dando assim uma característica especial, entre as demais esponjas, por ser muito eficiente no processo de filtração.

Tipos de poríferos
Tipos de poríferos

Os poríferos, quando distribuídos em classes, são classificados de acordo com a sua estrutura e local. Por exemplo a classe Calcária, formada por esponjas exclusivamente marinhas e com espículas de calcário. Desmospongia, formada por esponjas apenas com espongina (dulcíolas), silicosas e espongínicas (marinhas). E Hexactinelidas, formadas por esículas silicosas com seis raios, mais conhecidas como esponjas

Anterior Platelmintos

Deixe um comentário