Plantas e sustentação

Voltar
Você está aqui:

Alguns dos organismos adultos do reino Metaphyta, como nas angiospermas, possuem tecidos especializados em condução de seivas, xilema e floema, bem como na sustentação do vegetal. Esses tecidos vegetais são tecidos adultos e originados dos meristemáticos primários, após passarem por processos de diferenciação celular.

Células do xilema e floema
Células do xilema e floema

Xilema (ou lenho)

O xilema é o tecido responsável pelo transporte de seiva inorgânica ou bruta. Essa seiva possui uma composição básica de água e sais minerais e é conduzida das raízes para as folhas, através dos vasos lenhosos. As raízes possuem duas vias de absorção de água e sais minerais, a via simplasto, definida quando os nutrientes passam por dentro das células (citoplasma e plasmodesmos), e via apoplasto, quando os nutrientes passam por espaços existentes entre as células.

Vasos lenhosos são estruturas formadas por células sem membrana celular, citoplasma e núcleo. Essas células possuem somente parede celular formada por celulose e lignina. A lignina é um material que confere rigidez e impermeabilidade para essas células, dando uma característica única ao tecido de condução xilema, que é a sua composição formada por células mortas. O mecanismo que permite a condução da seiva bruta através do xilema é a capilaridade e pressão negativa , dada pela respiração e transpiração do vegetal.

Os vasos lenhosos possuem orifícios que permitem a passagem da seiva de uma célula para outra, no sentido raiz-folha, e são formados por dois tipos celulares, os traqueídeos e os elementos dos vasos lenhosos. Traqueídeos são células encontradas em pteridófitas, gimnospermas e angiospermas, e possuem pequenos orifícios, chamados de pontuações, que permitem o deslocamento da seiva. Já os elementos dos vasos lenhosos são células descritas apenas em angiospermas e são formadas por duas grandes aberturas nas suas extremidades e pontuações nas laterais.

Floema (ou líber)

O floema é o tecido que conduz a seiva orgânica ou elaborada, a qual possui composição básica de açúcares (glicose), através dos vasos liberianos, no sentido folha-raiz. Esses vasos liberianos são formados por dois tipos de células vivas e vizinhas, elementos do tubo crivado e célula companheira. Os elementos do tubo crivado podem ser desprovidos de núcleo e vacúolo. Já as células companheiras são dotadas de núcleo e são responsáveis pela manutenção de metabólitos para as suas vizinhas ou células do tubo crivado.

A condução da seiva elaborada através dos vasos liberianos ocorre pelo desenvolvimento de um gradiente de concentração  de glicose, entre os tecidos vegetais. Esse mecanismo, descrito pelo alemão Münch, garante o sentido do fluxo, folhas-raízes, da seiva.

Sustentação vegetal

Os vegetais possuem três tecidos básicos de sustentação, o xilema, esclerênquima e colênquima. O xilema é um tecido de condução, mas por possuir a rigidez como uma de suas características, auxilia a sustentação do vegetal. O esclerênquima é um tecido morto formado por fibras e esclereídeos. As fibras são células alongadas que se desenvolvem junto ao xilema e floema. Já os esclereídeos são células com parede espessa, presença de lignina e muitas pontuações, podendo ser encontradas dispersas pelo parênquima.

O colênquima é o tecido de sustentação formado por células alongadas e agrupadas em feixe. Essas células possuem grandes vacúolos e reforço de celulose, que dá ao tecido a capacidade de suportar o crescimento dos órgãos com força e flexibilidade. O colênquima é encontrado nas extremidades dos caules e pecíolos das folhas.

Tecidos de sustentação
Tecidos de sustentação
Anterior Nutrição Vegetal
Próxima Tecidos Vegetais

Deixe um comentário